Caldas Trophy 2006

Caldas Trophy 2006

A TRADIÇÃO!

O “Caldas Trophy”, que teve lugar no último dia 4 de Fevereiro de 2006, foi um corte assumido na já conhecida tradição dos passeios que o CLRP a todos tem habituado e onde podemos citar os tradicionais “Por Terras de…” e/ou “Um Sábado em …”.

COMO NASCEU A IDEIA?

Com a região das Caldas da Rainha como pano de fundo e com o envolvimento directo do Núcleo do Oeste, estava encontrado o mote para que o CLRP apostasse na realização de um passeio diferente, mantendo, no entanto, a habitual qualidade organizativa.
Com os primeiros reconhecimentos logo se verificou que as características do terreno proporcionavam um verdadeiro desafio a condutores e máquinas, tal era a dificuldade na progressão que por diversas vezes e durante largas horas exigiu a concentração de esforços de todos, para que os Land Rovers pudessem progredir no terreno, o que, aliado à identidade semântica entre “Caldas” e “Camel”, rapidamente surgiu o “Caldas Trophy”, saudoso evento organizado em estreita colaboração com a Land Rover.
COMO FOI O “CALDAS TROPHY”!

Com partida prevista para as 9h45m, os participantes reuniram-se na lindíssima Foz do Arelho para de lá enfrentar os “escassos” cerca de 50 Km de percurso selectivo que constituía o road-book, o que deixou algo surpresos os mais habituados aos percursos rolantes.

Poucos sabiam à partida que o percurso inicialmente previsto não viria a ser concluído por todos, face ao adiantado da hora e às exíguas condições de visibilidade que colocavam em causa a segurança dos participantes.

Na verdade o CLRP não podia ter escolhido melhor nome para este passeio do que “Caldas Trophy”. Este passeio foi um verdadeiro hino ao espírito Land Rover, tal foi a constante entre ajuda que se fez notar ao longo do dia, onde não podemos deixar de fazer uma especial referência ao Vítor e ao Norberto da Motormáquina que protagonizaram uma autentica operação de salvamento do “Série II A” do Luís Lacerda que, a dado passo do percurso, ficou periclitantemente atravessado no cimo de um corta fogo, sem motor de arranque e com um semieixo traseiro partido e ao António Pedro que, ao sair do trilho para ajudar um colega em dificuldade, acabou por ver o seu Disco TD5 ser literalmente atirado contra um eucalipto que lhe provocou algumas mazelas na secção traseira do Land Rover.

Com efeito, a neve e chuva que marcaram a sua presença por aquelas paragens nos dias que antecederam o passeio, transformaram o que parecia fácil em difícil e, nalguns casos, em muito difícil, aumentando exponencialmente o grau de dificuldade do mesmo, com o “fosso dos crocodilos” a deixar algumas “dentadas” nos Land Rovers dos participantes mais audazes que desafiaram os ditos crocodilos e de onde apenas o sócio Jorge Ferreira conseguiu sair pelos seus próprios meios.

Antes da paragem para o almoço foi ainda possível por à prova as capacidades dos Lands na pista de obstáculos que transbordava água e lama por todo o lado.

Na parte da tarde a lama continuou a ser uma constante, à semelhança, aliás, de todo o percurso idealizado para este “Caldas Trophy”, de tal forma que muitas secções do percurso pareciam-se com autênticos trilhos do mítico “Camel Trophy” a exigir muito trabalho e entre ajuda entre os participantes de forma a não atrasar o andamento da caravana de Lands.

A todos os associados presentes o nosso bem-haja pelo espírito Land Rover que uma vez mais demonstraram, contribuindo assim para o fortalecimento e consolidação da mística da marca Land Rover.

Um agradecimento especial ao Núcleo do Oeste na pessoa do Licínio Santana e Luís Lacerda, que nos proporcionaram um dia em cheio numa região de paisagens deslumbrantes, onde aos participantes foi dada a possibilidade de desfrutar de um café quente sobre as arribas com vista para as Berlengas e de se deliciarem com as vistas da duna de São Martinho do Porto ou da Praia do Salgado. Um agradecimento especial também aos nossos parceiros Jaguar Land Rover de PortugalPanisintraArquiviva e Pharsolutions, que continuam a apoiar as nossas iniciativas.

DEIXE UM COMENTÁRIO