Expedição a Marrocos 2011

Expedição a Marrocos 2011

Há muito sonhada por uns, agradavelmente repetida por outros, esta viagem foi o resultado de vários pedidos e solicitações para fazer um percurso fora dos grandes centros turísticos, onde se pudesse respirar o que de mais genuíno e profundo tem este país que está tão perto…e tão longe de nós.
Dia 15 Abril – Lisboa | Algeciras

Nada como um belo almoço em Beja para começar o dia e conhecer os vários participantes desta viagem. Os Defenders “Laranja Mecânica”, “Furgoneta”, “Red Bull” e “Tijolinho Veloz” estavam em maioria, juntamente com a “Camioneta” do nosso guia e conselheiro António Antunes. O Range “Papagaio” não se deixou intimidar pela diferença…ao qual se juntou, já em terras do Sul, o Discovery “Medronho”. O grupo estava finalmente completo e pronto para esta aventura!

Dia 16 Abril – Algeciras | Asilah | Khenifra

Onda acima, onda abaixo, onda acima, onda abaixo… na travessia para Ceuta foi necessária alguma concentração para contrariar os movimentos do ferry. Benditos comprimidos para o enjoo!… A passagem na fronteira não teve problemas. Tudo feliz por mais uns turistas a entrar no país.
O ponto alto do dia foi a visita a Asilah, com o seu casario pitoresco e as pinturas originais, a dar-nos um cheirinho do que prometia a viagem por estas paragens exóticas.
A tarde terminou com uma verdadeira odisseia em que toda a caravana se uniu para conseguir acompanhar o Discovery “sem luzes” até ao hotel… onde chegámos já noite escura. Que rico trabalho de equipa!

Dia 17 Abril – Khenifra | Iseli | Gorges du Dades | Boulmane

Após a compra matinal dos pães marroquinos para todo o grupo, iniciámos a subida até aos 2920 m de altitude. Entre aldeias isoladas e paisagens deslumbrantes, lá fomos passando o limiar das nuvens. No meio do Atlas os miúdos surgiam do nada, correndo ao nosso encontro e pedindo “un stylo”, “un cadeau”, “un bonbon madame”… É impossível não derreter corações!
O Lago Iseli foi o local privilegiado para o nosso piquenique. Era necessário retemperar energias para um dia que se adivinhava longo. Caravana em grande marcha, lá conseguimos chegar às gargantas do Dades…ainda de dia! Era o que todos tinham suplicado “à organização”. A beleza do local valeu bem a pena o esforço para manter o ritmo do dia. A última recompensa veio com o alojamento no Hotel Xaluca Dades, entre cantares, boa comida e um luxo bem contrastante com o que víramos durante o percurso.

Dia 18 Abril – Boulmane | Ouarzazate | Lago Iriki | Albergue Iriki

Acordámos bem preparados para um dia intenso de pista até ao Lago Iriki e já a pensar na nossa primeira noite de acampamento nas dunas. Miragem!… seria Marrocos a trocar-nos as voltas e a dizer “Aqui quem manda é a Natureza”.
Depois de umas “comprinhas” em Ouarzazate, onde até nos entusiasmámos a comprar costeletas e nos impressionámos com a triste vida (e morte) das galinhas, lá seguimos caminho rumo ao nosso destino previsto. Após um agradável piquenique, numa zona de cultivo e bastante vegetação, trocámos o verde pela pista de pedra até ao Lago Iriki. E aí é que foram elas: uma tempestade de areia teimou em não nos deixar ver um palmo à frente do nariz. Como se não bastasse, o nosso Discovery “Medronho” ficou sem o diferencial. Impossível acampar, impossível continuar…
…mas a alegria continuou: no Albergue Iriki (um achado de alguns do grupo) que parecia estar ali à nossa espera…só para nós. A noite foi memorável!

Dia 19 Abril – Lago Iriki | Acampamento Erg Chegaga

O mecânico local continuou o trabalho no Discovery, iniciado na noite anterior. Só aqui se encontram verdadeiros mestres como este! Resolvido o problema seguimos rumo ao Lago Iriki. Mais uma vez o vento e a areia tornaram impossível a rota que tínhamos escolhido. Foi necessário um pequeno desvio para uma zona “só um pouco” mais abrigada para almoçar e, já agora, aproveitar para trocar um amortecedor partido do “Tijolinho Veloz” (sim, tudo aconteceu nesta viagem!…).
Tivemos de contornar o Lago Iriki por uma pista de pedra, para fugir à fúria do vento. Já no Oásis d’Oum-Láalag nos aconselharam a esperar até às 18h pelo acalmar do vento. Assim, não contrariando estes caprichos da natureza com hora marcada, descansámos entre palmeiras e burros…antes de nos lançarmos às dunas. E que dunas! Parecia que tinha tudo voltado à infância! Até o “Red Bull” ficou enterrado de lado numa posição de pouco equilíbrio. Nada de grave e que não servisse para brincar durante o jantar no acampamento. Após a patuscada das costeletas na brasa, as dunas, as estrelas, a lua e o silêncio tornaram a noite verdadeiramente ÚNICA!…

Dia 20 Abril – Erg Chegaga | Mhamid | Merzouga

Exercício matinal: subir uma duna de 30 m para ver o nascer do sol. Ninguém se negou…a não ser o sol que timidamente ficou por trás de umas nuvens. Após este início de dia revigorante, nada melhor do que…mais umas voltinhas nas dunas. YES!… Subindo, descendo, seguindo a crista…e descendo a pique. Todo o grupo adorou até ao último grão de areia. Seguiu-se a pista de pedra até Mhamid. Em Zagora alguns visitaram o mecânico marroquino mais conhecido em Portugal: o “lendário” Aziz. Depois, com resignação, tivemos de voltar ao asfalto em direcção a Merzouga pois, com o tempo a pregar partidas, era impossível fazer a pista do Sul junto à fronteira com a Argélia. A tempestade de areia ainda nos brindou mais uma vez, no meio da qual nos surgiu o Kasbah Tomboctou Merzouga, como se aparecesse por magia. Também o ambiente deste hotel se revelou mágico e recompensador.

Dia 21 Abril – Merzouga | Erg Chebi | ErRachidia

Deslizando tranquilamente pela areia, o nosso guia na “Camioneta” foi-nos levando para mais um dia cheio de expectativas nas dunas. Alguns camelos e berberes por um lado, várias moto4 por outro, fomo-nos entusiasmando com o ambiente e as cores laranja do Erg Chebi. E eis que, mesmo no meio de dunas e mais dunas…o “Medronho” fica novamente sem diferencial. Bonito serviço!…Como tirá-lo dali sem contar com a tracção às 4 nem redutoras? Com um miúdo berbere a servir de guia e um grande trabalho de equipa com o guincho lá se foi levando o resignado Discovery para terreno plano. Todos são e salvos chegámos ao Albergue Yasmine, onde nos serviram um delicioso almoço. Era já tarde quando, refeitos da azáfama do dia, rumámos a ErRachidia para mais uma noite.

Dia 22 Abril – ErRachidia | Pista | Acampamento no Plateau de Rekam

Partimos para mais um dia de pista mas, desta vez, com a sensação de termos perdido uma parte de nós: os nossos companheiros do “Medronho” seguiram com o seu Discovery por estrada, para se encontrarem connosco no final da viagem…onde a dificuldade já não pusesse em perigo o seu andamento. O resto do grupo continuou por pista, subindo o planalto de Rekam. Foi pedra, pedra e mais pedra…desafiando o desconjuntar de todos os ossinhos numa massagem constante. O almoço foi feito num leito de rio seco onde, timidamente, se aproximaram alguns miúdos nómadas. Montámos acampamento a pouco mais de 1400 m de altitude num local abrigado…na medida do possível. O juntar dos Land Rovers em círculo, o jantar quentinho, o humor e o calor humano fizeram o resto. Nem a chuva, nem os 3 graus que se fizeram sentir nessa noite, nos deixaram esmorecer!…

Dia 23 Abril – Plateau de Rekam | Guercif | Nador

Um dia intenso de pista dura, sob alguma chuva, subiram o desafio desta viagem a outro nível. Desde a descida do planalto com algum nevoeiro, até ao percurso cheio de obstáculos e regos, houve de tudo um pouco para não deixar que o cansaço dos últimos dias tomasse conta do grupo. O ponto alto do dia foi o atravessar, por duas vezes, de um rio com já alguma água. Também as minas de sal gema deslumbraram com a mudança das cores da paisagem.
O jantar, no Hotel Babel Nador, foi feito numa sala com um verdadeiro ambiente palaciano.

Dia 24 Abril – Nador | Tetouan

O percurso entre Nador e Tetouan foi junto à costa, maravilhando estes portugueses sempre sedentos de mar. Embora tenha sido sempre feito por asfalto, o serpentear da estrada trouxe algumas vistas marítimas bem interessantes, como uma pequena ilhota que envergava a bandeira espanhola. E, como não podia deixar de ser, a passagem em algumas aldeias sob chuva intensa brindou os Land Rovers com um pouco de lama. Não podia faltar!…
As últimas compras da viagem foram feitas na Medina de Tetouan, sob escolta de guias locais, e após uma aventura nos táxis da cidade. Já imaginaram caberem 7 pessoas num táxi normal? Quatro atrás e três à frente (já com o condutor). Quem diria?!…
À noite, durante o jantar no Hotel Karia Kabila Restinga, reencontrámos os nossos companheiros de viagem do “Medronho”, bem mais fresquinhos do que nós.

Dia 25 Abril – Tetouan | Ceuta | Lisboa

Embora tivéssemos acordado cedinho, não chegámos a tempo de apanhar o ferry previsto. Um pequeno erro de cálculo com as mudanças horárias entre países. São coisas que acontecem!… Assim tivemos mais tempo para, entre um café e uma risada, reviver as aventuras dos últimos dias. A travessia do ferry foi mais tranquila desta vez…ou já todos acusavam o cansaço. Fizemos a despedida num último almoço, ainda por Espanha.
Ficaram saudades…tanto deste excelente grupo como de Marrocos!

ISABEL ROBALO

Veja os dois álbuns fotográficos de Marrocos 2011:
Marrocos2011 I

Marrocos2011 II

E veja também as fotos da preparação para esta viagem, efectuada na Comporta:
PreparacaoParaMarrocos2011Comporta

DEIXE UM COMENTÁRIO