Picos da Europa 2014

Picos da Europa 2014

Oito anos volvidos desde a última visita, o Clube Land Rover regressou aos Picos da Europa, a imensa formação montanhosa na Cordilheira Cantábrica ao norte de Espanha, que se estende pelas comunidades autónomas das Astúrias, Cantábria e Castela-Leão.
O Parque Natural dos Picos da Europa olha o mar a Norte e por aqui cruzam-se os ares do Cantábrico e os cumes altos das montanhas alvas de neve, as salamandras, os ursos e os veados, os pastores solitários de outros tempos e os lagos cristalinos de origem glaciar.

Com semelhantes atrativos e depois de tanto tempo de ausência, havia que regressar a este paraíso natural, com o propósito de proporcionar aos sócios do Clube dias de paisagens inesquecíveis com trajetos por locais que há muito não são visitados, apreciando sempre a cultura e gastronomia das gentes destas paragens.
Estes mesmos atrativos naturais tornam o Parque Natural dos Picos da Europa num espaço muito restritivo em relação a estes passeios organizados, pelo que houve necessidade de recorrer aos serviços de uma Guia devidamente acreditada junto do Parque. Esta obrigação legal haveria no entanto de se revelar absolutamente crucial, recompensando o grupo de expedicionários com vistas e momentos únicos que só a experiência e o conhecimento detalhado dos locais podem proporcionar.

Depois de um trajeto de ligação em estrada, o encontro do grupo no primeiro dia deu-se ao fim da tarde na bela cidade de Salamanca, apelidada de cidade Dourada devido ao esplendor das suas construções numa pedra de cor amarela e ao prestígio da sua vida intelectual. Numa cidade de tão grande esplendor, que melhor local para o grupo se conhecer e jantar num agradável convívio debaixo de um arco-íris maravilhoso que a “Plaza Mayor”, considerada a mais elegante do país e o ponto de encontro por excelência da população ligada à famosa Universidade local fundada em 1215.

Na manhã do segundo dia, demos início à verdadeira viagem em direção aos Picos da Europa, para durante a tarde atravessarmos as vastas planícies da velha Castela nossa conhecida de seculares batalhas, onde hoje se nota o enorme desenvolvimento agrícola da região. Como aperitivo para o que haveria de vir nos dias seguintes, fizemos um pequeno percurso fora de estrada pela montanha com passagem pelo Lago de Riaño, Portilla de la Reina, Posada de Valdeón, Oseja de Sajambre e o magnífico Desfiladeiro de los Beyos, antes da chegada à Sidraria “El Polesu” (Casa “Pinin”) para uma prova da afamada bebida. Terminada a incursão fora de estrada esperava-nos o desfiladeiro “Los Vellos” a cerca de 40km em direcção a Cangas de Onis onde pernoitámos no histórico Parador Nacional de Cangas de Onis. Antes do repouso porém, havia que comprovar a fama de bem servir do restaurante “la Roca” situado bem no centro histórico desta cidade, e das suas não menos famosas iguarias tradicionais.

A manhã do terceiro dia começou com uma vista ao próprio Parador de Cangas de Onis – Parador Museu – rico pela sua história e famoso pela preservação da memória do início da fundação do país que é hoje o reino de Espanha.
Saindo em direção a Covadonga, a caravana rumou ao local da histórica vitória de Pelágio e dos seus homens sobre um exército mouro, onde hoje se ergue uma basílica neo-românica. Covadonga é atualmente um santuário católico, mas foi desde o inicio da sua existência, um lugar de crucial importância para a História da Península Ibérica e um enclave natural de singular beleza por estar dentro do Parque Nacional Picos de Europa. Aqui no ano de 722 Pelágio (primeiro Rei das Astúrias) e uns poucos cristãos conseguiram vencer os muçulmanos na Batalha de Covadonga, tornando esta batalha no ponto de inflexão da conquista muçulmana da Península Ibérica, pois a partir deste momento começou não só o reino de Astúrias como também a Reconquista.
Finda esta autêntica lição de história, subimos de seguida aos maravilhosos lagos de Covadonga de origem glaciar, primeiro o Lago Enol a uma altitude de 1070mts e logo depois, o Lago Ercina situado a 1080 mts, que deixaram a sua marca em etapas famosas da volta à Espanha em bicicleta.

É deslumbrante o cenário que encontramos ao percorrer os intermináveis caminhos rurais usados pelos pastores locais, acompanhados claro está da nossa Guia. Com tamanha beleza à nossa volta, sentimo-nos hóspedes da Natureza e nada mais nos apetece que não seja simplesmente tomar assento, “escutar” o silêncio que vem das montanhas e desfrutar desta paisagem única. Depois desta subida “às alturas” voltámos a descer à terra, para junto ao lago Enol, onde almoçamos tranquilamente ao ritmo de quem aqui vive sem pressas, rodeados de uma paisagem de verde contínuo, aqui e ali pintalgado do castanho das vistosas vacas e das suas crias.

O restante trajeto fez-se maioritariamente por entre caminhos de fácil transposição para um Land Rover, mas a beleza natural era de tal ordem que nas palavras de um participante mais adepto “… do todo-o-terreno difícil em desfavor dos eventos fáceis com estradões apenas para apanhar pó…”, este ficou rendido a ponto de afirmar que”… quando o Clube fizer o outro lado dos Picos… será “freguês”…, apesar de nem o pó ter visto.

Num registo descontraído, com um grupo divertido onde reinava a boa disposição, os Land Rover rodaram sobre (algumas) estradas de asfalto e caminhos de todo-o- terreno normalmente utilizados pelos “ganaderos” locais , proporcionando na opinião de outro sócio do clube, uma “…combinação perfeita entre lazer, aventura e cultura” e “um modo diferente de conhecer a região – as suas histórias, os locais de interesse, a gastronomia e alguns pontos “inacessíveis” de beleza inigualável, que fazem apreciar e manter vivo o verdadeiro espírito Land Rover…”.

Se por um lado a beleza do ambiente local parecia tornar “fácil” à partida organizar esta expedição, a verdade é que a distância, os rigorosos requisitos ambientais e a vontade de superar as expectativas dos participantes, tornaram este evento numa verdadeira aventura que pôs à prova a capacidade de organização do Clube Land Rover Portugal, mas da qual este saiu bem sucedido tendo oferecido a todos os participantes uns dias excelentes.

Parafraseando um dos participantes “…o ambiente animado e de são companheirismo num cenário de beleza incomparável constituíram o condimento ideal que faz com que acabemos uma expedição já a pensar na próxima…“.
E de facto assim é, pois o Clube está já a preparar a sua próxima expedição em meados de 2015, mas desta vez em Portugal, a um local que tem tanto de desconhecido como de surpreendente…

Veja as belíssimas imagens:
Picos da Europa 2014

DEIXE UM COMENTÁRIO