Um Dia na Lama 2017

Um Dia na Lama 2017

O dia da Lama do Clube Land Rover de Portugal é sempre um evento.

Não só porque é o primeiro evento do ano no calendário do Clube como também porque tem por diapasão ser o evento mais duro do ano. E esta edição não defraudou.

Se o inicio teve lugar nas Termas dos Cucos em Torres Vedras – “já é um clássico” como diria o novo presidente dos Estados Unidos – desta vez a organização decidiu rumar a Sul ao contrário de anos anteriores.

 

Depois de uma inconsequente passagem a vau, uma subida ao moinho do Gaio polvilhada de lama e rocha levou a que apenas 10 dos participantes subissem até ao topo, tendo os demais sido forçados a dar a volta. “Pena” diria o Trump.

Mas nem só de subidas falhadas se faz o Passeio da Lama. Seguindo na direcção da Serra do Socorro, os desafios continuaram com a lama vermelha que tão bem caracteriza a zona de Torres, com os Land Rover a esforçarem-se até ao limite. A paisagem era espectacular mas a chuva e o céu fechado impediam maiores demoras para a apreciar.

 

 

O caminho continuou por várias localidades da região, com os participantes divididos entre vários estádios já que depois de meses sem chover, os últimos dias tinham sido bastante molhados e o piso muito escorregadio.
Chegados – alguns ao local de almoço – seguiu-se para a zona da fantástica Tapada de Mafra. Aqui o caminho estava tão difícil que os guinchos foram postos a trabalhar e as cintas esticadas para retirar os participantes dos apuros em que o percurso os colocava.

 

Chegados perto da Malveira foi o brinde final. Um lameirão enorme, qual presente para os aficionados mais radicais. Um daqueles locais em que nos pomos lá dentro e lá fica o Land Rover como num spa de lama. O percurso foi tão duro e difícil que causou até um engarrafamento no percurso florestal, com veículos atascados uns a seguir aos outros.

Pás, cintas, hi-lifts, guinchos e muito esforço humano foram chamados e postos a trabalhar, em espírito de grande entreajuda.

Mas a aventura complicou-se de tal ordem que a dada altura todos deixaram os carros atascados no lamaçal, preferindo antes ir jantar para retemperar as forças. Já com os pés mais secos e mais energia, os bravos participantes regressaram às suas montadas para de lá não saírem antes da meia noite.

 

Já que desta vez ninguém terminou o percurso, o evento do ano que vem será revisto em termos de dureza, mas com uma certeza para os mais desprevenidos: Os guinchos e os pneus de lama serão obrigatórios.

Como diria o Trump “Land Rover first e depois o resto”.

DEIXE UM COMENTÁRIO