Veteranos 2015

Veteranos 2015

A península de Setúbal há muito que vem produzindo novos vinhos merecedores de prémios internacionais, mas para os apreciadores esta é sobretudo a terra onde se faz um dos vinhos Moscatel mais afamados do mundo, a que não será estranha a presença dominante da Serra da Arrábida que protege as terras dos ventos Atlânticos.

E por falar nestes néctares vem-nos à mente uma imagem enquanto vemos chegar ao Cabo Espichel, os Séries que um após outro se preparam para a partida do passeio Veteranos 2015… É como se tirar um Land Rover veterano da garagem para ir a este evento anual do calendário do Clube fosse quase como tirar um vinho da garrafeira para um jantar. Não um qualquer jantar em que um vinho corrente bastaria, mas uma ocasião especial pela qual se espera um ano e que merece uma colheita especial.

Para o evento deste ano, foram cerca de vinte as “colheitas especiais”, leia-se Séries, a serem tiradas das garrafeiras, leia-se garagens, onde repousaram alguns deles durante o longo inverno, ou quem sabe até, durante o ano inteiro.

E a verdade é que a “colheita” de 2015 foi variada e repleta de participantes com muita qualidade, desde um imaculado Série 2 de um amigo oriundo das terras de Vera Cruz, a um Série 3 devidamente preparado para expedições por terras mais longínquas, passando pelo magnífico Série 2 de Bombeiros, “Comenda” de seu nome, recentemente resgatado de uma lenta agonia numa sucata no centro do país, para despertar a atenção de quem o via passar e progredir.

O cenário do santuário de N.Sra. do Cabo Espichel convidava a longas conversas, mas os muitos corajosos que aceitaram o repto de trocar o descanso da praia por uma árdua mas revigorante tarefa de partir à descoberta das paisagens da região da Arrábida, cedo se fizeram ao caminho.

Com muitos quilómetros pela frente a começar pelas zonas arenosas do Meco, não tardou muito até que as capacidades e habilidade de homens e máquinas fossem postas à prova num emaranhado de obstáculos naturais por entre pinhais e campos agrícolas.

 

Os troços de areia solta e a passagem de uma ribeira de margens bem cavadas vieram servir a “colheita” mais especial do dia, com os Veteranos a mostrarem ao que vinham, superando estas provas graças ao mítico espírito Land Rover que não permite que um só fique para trás.

Depois de uma longa manhã de condução mais técnica e algum trabalho, era chegado o momento da merecida pausa, aproveitada para trocar experiências e partilhar o repasto.

E se noutros eventos se sente uma certa pressão com os horários, aqui o clima é bem mais descontraído, que os Veteranos não gostam de pressas, tal como quando se saboreia a tal “colheita” especial.

Com maior ou menor atraso, havia que seguir caminho pelos trilhos mais ou menos técnicos que constituíam a segunda parte do percurso do passeio.

Porém, o calor da tarde já ia pesando, daí que o trajecto se apresentasse agora mais rolante, propício para todos poderem apreciar as magníficas vistas com que a Serra da Arrábida presenteava a caravana.

Se é verdadeiro o ditado que diz que quem “corre por gosto não cansa”, também é verdade que quem anda um dia inteiro nestes Veteranos, no final espera por um retemperador conforto do corpo e da garganta. Por isso, já noite dentro, era hora de terminar com uma combinação de caldeirada e sopa de peixe, acompanhada obviamente por um néctar local, ou não estivéssemos em Setúbal.

A colheita deste ano ficou mais que aprovada, mas houve quem dissesse que a próxima ainda será melhor … Que “reserva” estes Veteranos irão servir-nos no ano que vem? Saúde!

DEIXE UM COMENTÁRIO